quarta-feira, 2 de março de 2011

Enquanto isso, na terra de Augusto e Zé Lins...


O trabalho desempenhado pelos policiais, sejam de qual esfera for, deve ser valorizado e dado o devido crédito. A uns dias assisti na tv sobre os “anjos do ar”, policiais militares que trabalham em aeronaves resgatando vítimas das enchentes em São Paulo, ofício louvável do tipo que encantava meus sonhos de profissão ideal quando criança.

Ser policial tem um valor diferenciado para quem é um reles mortal como este que vos escreve, e para os membros da corporação, seja ela civil ou militar. Para mim, a polícia é a garantia de que a lei será cumprida e que a população não mergulhará em uma fase de escrotidão total. Pros que são da polícia, talvez represente palavras como sustento, profissão, oportunidade, além de ideal e princípios (pra alguns).

Você deve se perguntar por que dediquei alguns parágrafos pra falar de polícia, se você não é da Paraíba permita-me contar uma história do passado recente do meu renascente Estado, e aí sim você entenderá do que eu estou falando.

No início do ano passado o então Governador da Paraíba José Targino Maranhão acreditava piamente que já tinha as eleições de 2010 no papo. Então os PULIÇA foram pedir-lhe encarecidamente, se não fosse muito incômodo um aumento de 15% nos salários, o Zé prontamente respondeu da maneira que ele mais gosta, NÃO! E alegou que o Estado não tinha recursos para conceder o aumento. A classe ficou chateada, acabrunhada mas deixou passar, afinal havia sido apenas mais um não do menino Zé Maranhão.

O tempo passa e com ele chegaram as eleições de 2010, a vitória que ZM esperava logo no primeiro turno não veio, e pra piorar, levou uma surra de foice nesse turno. Então para a segunda etapa o prodígio de Araruna preparou uma carta curinga na manga.

Ao perceber que as eleições se esvaíam de suas mãos como água por dedos entreabertos, Zé fez o que todo mau perdedor faz quando está perdendo um jogo, BAGUNÇOU, é isso mesmo, foi tudo no estilo “se não é meu não será de mais ninguém”, e então aprovou um pacote de equiparação salarial para os policiais da Paraíba, a PEC 300, a menos de 180 dias antes do fim do ano e passando por cima de todas as leis de responsabilidade fiscal.

Finda a eleição, pro bem do meu austero Estado, Zé de Araruna perdeu, mas as marcas de sua pirraça sangram até hoje.

Apesar da ilegalidade do aumento, os policiais da PB ficaram ouriçados, doidinhos pra terem seus salários incrementados, o governador Ricardo Coutinho, por sua vez, mostrou que a situação financeira do estado não permite cumprir a promessa do desesperado ex governador, que diga-se de passagem fez uma limpa antes de deixar o poder em Dezembro último.

Agora estamos assim, policiais em greve, aumento da criminalidade no Estado inteiro. Enfim, a beira daquela era de escrotidão que eu havia dito no início, tudo graças a alguém que provavelmente sairá ileso de tudo isso, uma vez que Zé não vai perder nada, os ricos têm dinheiro para contratar seguranças, e nós cidadãos comuns apenas oramos e aguardamos.

Nenhum comentário: