quinta-feira, 27 de agosto de 2009

Com os pés nas costas

Se você mora em Jampa* e anda atenciosamente pela av. Epitácio Pessoa, vai entender perfeitamente sobre o que eu estou rabiscando, se não, se nunca teve o prazer de conhecer minha bela João Pessoa, ainda assim vai concordar, pois apenas escreverei sobre uma nuance no cotidiano das cidades grandes.
Há um cidadão que pede esmolas na bifurcação entre as avenidas Epitácio Pessoa e Rui arneiro que, diga-se de passagem, realiza tal feito com o generoso Sol paraibano sobre sua cabeça e com uma das pernas nas costas, ele desenvolveu uma técnica própria para aquisição de auxílio dos motoristas que naquele semáforo param, cortou um garrafão de água mineral pela metade e prendeu com arames a um cabo de vassoura, quase um receptáculo para coletar oferendas(e na verdade o é).
Até ai quase tudo bem, mas a alguns anos eu tive a impressão de ter visto o singular mendigo e suposto aleijado, andando normalmente pelas imediações da estação rodoviária da capital, tratei logo de tirar minha dúvida, perguntei a um comerciante antigo daquele local e ele confirmou minhas suspeitas, era o dito cujo mesmo.
O pior todas as vezes que passei por ele depois disto tive rompantes de raiva ao analisar o embuste que aquele senhor representava, "que doença é essa que os pés vão parar nas costas?", "quanto um ordinário desses ganha enganando assim a todos?" Sobre o segundo questionamento eu andei analisando, se ele conseguir 1 real a cada 5 minutos, então em uma hora ele arrecadará 12 reais, digamos que ele resolva pedir esmolas apenas por cinco horas durante o dia terá feito 60 reais, é certo que de segunda a sexta feira este senhor está lá com uma assiduidade de dar exemplo a todo funcionário de repartição pública, então 5 dias na semana perfazem 300 reais por semana, multiplicando este valor por 4 para dar um mês chegamos ao valor revoltante de R$1200, é isso mesmo, Hum mil e duzentos reais brasileiros, salário um valor que a maioria da população trabalhadora do Brasil nunca teve em mãos, "ah mas ele é vítima da sociedade, pensaria alguém", eu pergunto quem é vítima de quem nesta história toda. Em nossa falida mentalidade mediana permitimos no âmago do nosso ser que determinados setores da sociedade cometam delitos sem que sejam punidos por isso, são, de um lado, os menos favorecidos por seu coitadismo herdado, e de outro lado os políticos que põem as cartas em cima da mesa.
E exatamente isso o que você leu meu amigo, tanto os canalhas engravatados e o sujeito dos pés nas costas são culpados pelo mesmo crime. o Crime de quebrar a cadeia biológica natural da sociedade que clama por indivíduos comensais e acaba sendo sugada por um comensalismo parasitário (se é que existe tal definição), então permitimos que o Lula permaneça no poder após tantos indícios contra ele, permitimos que o Sarney mantenha-se deitado em berço explêndido na cadeira mais prestigiada (e caçada) do Senado Federal brasileiro, permite que supostos homens de Deus consigam converter as palavras sagradas em dividendos depositados em paraisos fiscais, e mesmo assim terem os seus templos lotados de fieis.
Chego a uma boba conclusão:

Talvez nós sejamos ligados mesmo é nos sujeitos que conseguem nos enganar até mesmo com os pés nas costas!

Um comentário:

CamilaTeresa disse...

BOOYYY!

eu sei quem é o cidadão ao qual vc se refere! as vezes ele muda de estratégia e vai parar nos onibus cantando frevo pra vê se descola um troco a mais!

ou seja... multiuso, multiprofissional, unifalcatrua!